sábado, 25 de novembro de 2017

O dia começa com a tua luz...





Sabes, mãe,
penso em ti
          e,
              ao pensar,
tudo me leva ao amor,
num  rio calmo, sereno,
              feito de lágrimas,
que corre desenhando a minha
                        alma ao encontro da tua.
E uma saudade desfolhada
               de uma tristeza transcendida,
                       translúcida de alegria,
                                 preenche o verdadeiro espaço
                                       da tua presença,
                                               que me diz baixinho:
- Cabeça erguida, filha.
                           Cabeça erguida...
Olho,
         e o sol nasce.
O dia começa com a tua luz!...


   
      


 Suzete Brainer (Direitos autorais registrados)

 Imagem: do Google


 Partilha: Este é um dos primeiros poemas que fiz para minha mãe em 2012.
              Depois, vieram outros poemas e prosas poéticas. Ultimamente, sinto
              uma saudade "galopante" dela... Nada como colo de mãe, quando
              sentimos o peso do mundo nas costas. No caminho por dentro de
              mim, a encontro de braços abertos...     



27 comentários:

  1. Bom tarde. Muito bom ler, Adorei.

    Hoje, um pequeno texto:[ Enquanto deslumbrava o meu imaginário, naquele banco, agora vazio.]

    Bjos
    Um Sábado Feliz

    ResponderExcluir
  2. Há momentos em que a vida parece ingrata, que lhe falta qualquer coisa para adoçar o nosso dia, para fazer brilhar o nosso olhar. Nessas alturas, talvez de forma inconsciente, recorremos ao nosso bolso afectivo, onde está um ser sempre disponível: a nossa mãe.
    Gostei muito de ler, Suzete, gosto sempre. Mas o caminho é sempre em frente, uma pausa, por mais necessária, não passa disso mesmo.

    Um beijinho :)

    ResponderExcluir
  3. Ela é saudade e presença infinita, em nós!

    Amo você, tia!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Minha linda Cla,

      Isso mesmo, querida!...

      Amo muito você e uma saudade galopante
      de ocê!!!
      Beijinhos.

      Excluir
  4. Lindíssimo poema, Suzete! Lindo, lindo, lindo! O amor é lindo e o amor de mãe ou a ela é divino. Realmente tudo me leva ao amor pelo seu amor (da mãe) que me ensinaste a cultivar e cultuar como uma religião. Amar é amar o amor, que se potencializa à medica que buscamos amar. Se o dia começar com a luz do amor, ele se eterniza em nosso coração, pois está provado que a memória emocional não termina nuca. Por que um criança vê um filme triste e não chora? Porque ela ainda não tem memória emocional, por não ter vivido emoções ainda e deve chorar apenas se ver sua mão chorando ao ver tal filme, apenas por não entender porque se chora. Parabéns, amiga! Grande abraço. Laerte.

    ResponderExcluir
  5. Mãe é mãe, não existe colo e/opu amor igual.
    .
    { Não sei se a minha alma me é sincera }
    .
    Bom dia, votos de um domingo feliz.
    .

    ResponderExcluir
  6. Como me tocou o teu poema, querida amiga Suzete! Sei bem o que essa imagem representa, em consonância com o teu sentir. Mãe será sempre luz. Mesmo que tenha partido, fica sempre pertinho. Uma bênção permanente.
    Fez-me bem a luz do teu poema. "Cabeça erguida, filha. Cabeça erguida ..."

    Beijinhos.

    ResponderExcluir
  7. Comovente o seu poema, Suzete. Também acho insuperável a perda de uma mãe.
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  8. que o sol brilhe sempre em tua vida!
    e em tua luz...

    beijo, Amiga

    ResponderExcluir
  9. Comovente, esse teu poema! E tudo que comove é belo. Sabe, Suzete na alegria não vejo beleza, vejo festa, sorriso, bem-estar, mas nada que toque muito. Claro que é preferível, ninguém sofre. Mas a emoção (pra mim) está mais ligada à luta, às nossas perdas, a falta de nossa mãe, pai, filhos, marido que ficam na memória e na saudade. Mulher é emoção. As coisas não voltam, mas deixam uma marca eterna. Te entendo bem, também perdi minhas referências, vi a vela se apagando... E quantas vezes olhei para suas fotos e lamentei sua partida.
    Mas enfim, nada a fazer, a não ser tê-la sempre sempre perto, como vi nesse teu poema: 'cabeça erguida, filha!' E você a escuta.

    Beijo, feliz restinho de semana.

    ResponderExcluir
  10. gostava tanto que este poema fosse meu, feito à minha mãe.
    Parabéns, é um magnífico poema, muito tocante.
    Continuação de boa semana, amiga Suzete.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  11. Como é bom nos agarrarmos a essas memórias daqueles que nos amaram profundamente do modo como precisávamos! Belo poema minha cara. Me trouxe boas lembranças! Um abraço!

    ResponderExcluir
  12. A vida já é luminosa, Su! E com a essa luz tão perto é senti-la e manter a cabeça erguida, como era o desejo. Como ainda é seu desejo. É sentir essa corola branca sempre perto de ti!
    Beijos, querida amiga!

    ResponderExcluir
  13. Ah , Suzete . Que emoção ! Poema belíssimo como você . Na leitura lembrei-me de meu pai que já não está conosco há 5 anos . Ele me dizia : Levante a cabeça, filha , que a vida continua . Saudades . Beijos, amiga .

    ResponderExcluir
  14. É mãe Suzete?
    Tanta vez...
    A anunciar cada dia,
    todos e nenhum em particular,
    antes e depois,
    ontem é hoje.
    Ela vem sempre, é Mãe!,
    abrir-nos a janela à Luz.
    É ela que nos conduz.

    Bonito que se sente.
    Bj.

    ResponderExcluir
  15. Um belo texto de afectos incomensuráveis

    ResponderExcluir
  16. Nunca mais tinha vindo aqui. Belíssima poesia, comovente. Beijos, Su!

    ResponderExcluir
  17. Assim começa meu dia...
    Com a voz de Beatriz me dizendo sobre suas mazelas, sobre suas dores. E o que resta neste exato momento, tão distante de minha filha, é juntar as mãos e pedir a Deus que cuide dela.
    Nossos corações pulsam na mesma frequência.
    Espero que me permita ficar por aqui Suzete.
    Um forte abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito grata pela sua gentil visita e tão belo
      e significativo comentário, querida!...
      Seja bem vinda e volte sempre aqui!
      Logo irei visitar o seu espaço também.
      Grande abraço de paz!
      Suzete.

      Excluir
    2. Olá Vida,

      Fui acessar através deste seu perfil aqui e
      não se encontra nenhum link de blog seu.
      Se por acaso, você volte aqui e leia a minha
      resposta, tendo blog e se for do seu interesse,
      deixe o link dele para que eu possa visitar
      e acompanhar. Pois apreciei muito a sua visita
      e seu comentário aqui!...
      Abraço de Paz grato.

      Excluir
  18. Amigas(os),

    Agradeço as presenças atenciosas, com os registros
    carinhosos.
    Sei que naturalmente todos compreendem este meu
    sentir saudoso por uma mãe, que percorreu
    o caminho do afeto maternal e também de uma amizade,
    no espaço das palavras e dos silêncios de
    mãos dadas. Amizade assim é muito rara e, por isso,
    ocupa um valor atemporal de significados.

    Um domingo feliz e na paz para todos!
    Beijo e Abraço de Paz.
    Suzete.

    ResponderExcluir
  19. Olá mais uma vez Suzete!
    Vejo que me encontrou(rsrs)!
    Agradeço por me seguir, fico feliz por andarmos de mãos dadas.
    Minha filha Beatriz está bem. Está estudando no Chile. Ontem ela adoeceu, mas já foi medicada e está bem.
    Sinto nas suas palavras um imenso carinho.
    Um forte abraço.

    ResponderExcluir
  20. Thank you for visit to my blog ;)
    I follow your blog - it's great place! :)

    https://elenabienvenido.blogspot.com.es

    ResponderExcluir
  21. Ai Suzete, me veio agora uma vontade de correr e abraçar minha mãezinha, sim, porquê graças ao bom Deus ela está aqui presente. Sei que não posso desperdiçar o tempo que posso estar ao lado dela enquanto há tempo, então posso imaginar o tamanho da sua saudade.
    Seu poema é doce, sensível e comovente. Um grande abraço minha amiga.

    ResponderExcluir
  22. Mães, seres imortais,
    Lindo.
    Boa entrada de mês de dezembro.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  23. Quando acabei de ler este poema, pensei e reproduzo: este é, para mim, o mais belo poema que escrevestes para a tua mãe (acho que os conheço todos). Depois, ao ler a tua nota, no final, acentoou-se a minha impressão inicial. O primeiro é sempre o mais autêntico, pois nele está toda a carga emocional.
    Um sentido abraço, querida Suzete.

    ResponderExcluir

Este é um espaço importante para você deixar inscrito:

A sua presença,

O seu sentir,

A sua leitura,

A sua palavra.

Grata por compartilhar este momento de leitura aqui!

Abraço de Paz!

Suzete Brainer.